Vasco Cordeiro defende “que os líderes regionais e locais devem participar na definição das políticas de financiamento da Europa”

Vasco Cordeiro defende “a necessidade de os líderes locais e regionais terem uma participação adequada na conceção e definição das políticas de financiamento e de as estratégias nacionais, de recuperação dos efeitos da Covid-19, terem em conta as especificidades dos diferentes territórios europeus”.

O Presidente do PS/Açores participava, na qualidade de primeiro vice-presidente do Comité das Regiões, na 3ª edição do “European Research and Innovation Days”, que decorre, online desde 4ª feira.

Durante a intervenção na sessão sobre o papel das Regiões e das Autoridades locais na vanguarda do processo de recuperação, Vasco Cordeiro salientou ainda que “na gestão do processo de recuperação pós-covid, temos de nos certificar que as medidas de curto prazo atendem às necessidades específicas dos territórios, uma vez que os impactos territoriais da pandemia são muito assimétricos nas várias Regiões da Europa”.

Na iniciativa da Comissão Europeia, em que o foco é que a recuperação socioeconómica seja “mais sustentável, mais digital e mais inclusiva”, o primeiro vice-presidente do Comité das Regiões, destacou a importância de “o investimento significativo que se vai fazer em medidas de curto prazo estar associado às estratégias de longo prazo, para garantir que se alcançam os objetivos estratégicos da União Europeia para sociedades com neutralidade carbónica e digital”.

Vasco Cordeiro salientou que “os líderes locais e regionais são os melhores para articular as metas de desenvolvimento de curto e longo prazo” e apresentou soluções concretas, nomeadamente no que diz respeito “às estratégias de especialização inteligente”, que já foram desenvolvidas em mais de 180 Regiões da Europa e que “podem desempenhar um papel fundamental na ligação entre a inovação dos programas da UE e o desenvolvimento integrado dos ecossistemas de inovação locais/regionais”.

O Presidente do PS/Açores referiu, ainda, “a sugestão do Centro Comum de Investigação, da Comissão Europeia, para que as estratégias atuais de especialização inteligente tenham uma quarta dimensão – a sustentabilidade – que pode, por exemplo, estar relacionada com a Transição Verde e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas”.

Vasco Cordeiro também alertou para questões relacionadas com as dificuldades económicas e demográficas que afetam as regiões, defendendo que “nenhuma Região da Europa ou Ecossistema de Inovação pode ficar para trás e que é preciso encontrar instrumentos específicos, a nível europeu, nacional e local, que permitam travar a chamada ‘fuga de cérebros’ e de emigração de investigadores e especialistas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *